Nesta categoria incluem-se as experiências de aprendizagem que são desenvolvidas fora do horário letivo e de forma não dependente do sistema formal, embora sejam atividades desenvolvidas nas instalações escolares ou que se dedicam ao reforço de competências STEM (por exemplo, em grupos mais vulneráveis).

Convém ressaltar o número e a diversidade da oferta, que abrange desde oficinas efetuadas em diversos cenários, até a formação de clubes STEM. Também deve ser salientado que, em alguns casos, a forma como as atividades são desenvolvidas em âmbitos não formais estão marcando tendência ou são muito bem avaliadas como complementos nas escolas.

Cabe ainda mencionar as iniciativas empreendedoras que estão oferecendo seus serviços e propostas tanto às escolas quanto aos museus ou espaços de promoção cultural.

Potencial:

  • Permitem introduzir e experimentar novas metodologias de ensino e aprendizagem STEM, pois exigem menos requisitos em relação à educação formal.
  • Proporcionam uma experiência motivadora e sem pressão acadêmica, de aproximação à ciência, tanto para crianças e jovens quanto para educadores (docentes e progenitores).
  • Podem ser aplicadas em diferentes cenários: centros escolares e extraescolares, museus, clubes, etc.
  • Também proporcionam um valor de divulgação e conscientização sobre a importância do conhecimento STEM.